Espaço público, Cultura, Política, Comunidade, Território, Pessoas

Beta

Beta tinha terror; umha espécie de “síndrome do canil” (de nele estar fechada desde quase o nascimento), que a fazia viver em pânico e dar voltas sem parar; e não continha as suas necessidades fisiológicas.

Rejeitava cuidados e carícias. Mas convivia bem com o resto dos animais da família.

Morreu no mesmo dia que o seu querido Papaventos, companheiro de canil, que estava adotado por outra família.

Duvidamos que adotá-la fosse a melhor solução; mas fizemo-lo: o canil estava mais do que saturado e ela estava ali passando mal. Conosco correu, brincou, viveu mas nunca abandonou a sua inquietação e a sua tristeza. Foi-se em paz mas deixou-nos um pouso complexo de tristezas e raivas a nós, ainda que de algum conforto.

Manuel Jordán gostaria de tê-la conhecido, porque compreende mui bem a humildade.

Nota: Como todos estes poemas, salvo comentário em contrário, este foi escrito em plena vida de Beta.

Beta,
Minha mão leva a forma dos teus ossos depois da última carícia.
Por onde anda a tristeza, Betúncula, que tanto nos impede?
Vamos um dia atrás dela, Betinha, a dizer-lhe que já não.

Beta, com a tua concha ao pescoço e os teus olhos de concha
Esmaltes abaixo das orelhas alerta
E a humildade de andar à procura e à fugida.
(Beta, donde venhem os teus olhos esmaltados,
Que remontam rios num relanço além das terras da genética?)

Beta, por que saberás tanto?
Por que sabes da nossa crueldade
E portas a sabedoria de um lavrador antigo diante de um cacique renovado?
Beta, minha Betinha,
Desculpa as perguntas limitadas da condição humana;
Desculpa-as não polo que perguntam mas por existirem
Amortecemos assim a incompreensão e a insuficiência
E julgamos que perguntar nos informa de ti
Ou nos redime de algo
Perguntar-che quer ser uma forma de amor humano
De tentar saber se estamos no certo
De tentar saber o que sempre desconheceremos.
Mas Beta, coração nosso,
Sabe ao menos que queremos viajar em todas as tuas aventuras no assento que nos deres
Que agradecemos o espaço da carícia
e que respondemos ao teu latido
com a gratitude dumha certeza,
de que pintamos, mesmo que seja à branco e preto,
estrelas, planetas ou meteóritos,
no universo da tua vida inimitável

II
Beta, meu carinho,
Quando seja noite e passe Coco a ver o panorama,
Cumprimenta-o e deixa-lhe um pouco da tua água
Para reforçar-lhe essa vaidadinha que tanto nos faz rir
E ao pirata Matéu que beba aquela água quando tu deixares
E berra-lhe se anda a pola comida tua, Betúncula!

Consente as cavalinhas da Júlia, o olhar da Mámi, assim somos tão lindamente ridículos,
E deixa Pápi contar as tuas pesadas aventuras que a tua bondade nunca lhe desmentiu.
E, quando Zoa queira ir à frente, e, aduladora, subir ao sofá,
Olha com esse olhar teu condescendente, torce um pouco a cabeça à direita,
Orelhas ergueitas,
Olhos compreensivos,
Sentada ao pé do móvel sobre a alcatifa
Deixa-a estar
E ameaça a todas com uma nova mexada,
Que saibam das tuas armas presentes,
E dá-nos esse gesto único em que decidiste
Ficar a compartir connosco o teu caminho
Naquela primavera que foi bela
Por aquele dia em que
Depois de tanto andar
sentaste ao lado da Júlia,
Incorporaste a sua mão ao teu lombo
E mansamente certificaste que
Afinal
Nos aceitavas como a tua família

Sobre o autor

Elias J. Torres Feijó

Tenta trabalhar coletivamente e acha que o associacionismo é a base fundamental do bom funcionamento social e comunitário. A educação nos Tempos Livres é um desses espaços que considera vitais. Profissionalmente, é professor de Literatura, em origem, e, mais, na atualidade, de Cultura.

Comenta aqui!

Comenta aqui!

Espaço público, Cultura, Política, Comunidade, Território, Pessoas

Manuel Jordán Rodríguez

Profesor da Universidade de Santiago de Compostela (USC).

Xosé Manuel Sarille

Polemista e tamén escritor. Autor do ensaio "A impostura e a desorientación na normalización lingüística". A quen lle interese lelo pode solicitalo neste blog e enviaráselle ao enderezo correspondente sen custo ningún do exemplar nin do transporte.

Xoán Carlos Carreira Pérez

Doutor engenheiro agrónomo, professor de Engenharia Agroflorestal na Universidade de Santiago de Compostela. Autor de vários livros e artigos científicos, tem colaborado em diversos meios de comunicação, como A Nosa Terra, El Progreso, Vieiros e Praza Pública.

Elias J. Torres Feijó

Tenta trabalhar coletivamente e acha que o associacionismo é a base fundamental do bom funcionamento social e comunitário. A educação nos Tempos Livres é um desses espaços que considera vitais. Profissionalmente, é professor de Literatura, em origem, e, mais, na atualidade, de Cultura.

Viva Cerzeda

Espaço público, Cultura, Política, Comunidade, Território, Pessoas… Viva Cerzeda é a comemoração, para nós, da amizade, do bom humor sempre que possível e de tentar contribuir com algumhas ideias e opiniões para entender(mos) e atuar(mos) do melhor modo o mundo… É ambicioso mas é-che o que há… e para mais não damos…

Contacta-nos aqui

Acompanha