Espaço público, Cultura, Política, Comunidade, Território, Pessoas

Estórias de autocarro e maioria social

Dia de chuva, felizmente habitual para a riqueza desta terra. 8,45, cai bastante, está um vento grande. Três pessoas esperam o autocarro urbano à intempérie; umha criança com aspeto de rondar os cinco anos; quem seu pai parece; umha mulher de bastante idade, de bordão e cesto pesado na mão; mais duas pessoas chegam, um homem de idade indefinida (cinquenta e tantos…?) e mais umha jovem; a intempérie não parece compadecer-se muito com a narrativa de Santiago de Compostela como cidade acolhedora: ao menos com quem a habita neste seu quotidiano, esta representação da sua maioria social que aqui está à espera, está fria a manhã também. Não há amparo, nem marquise nem marquesinha há; esta representação da maioria social não tem onde abrigar-se: mal pai o desta criança que ali a tem, nesse estado, com a sua capa de chuva e carapuça como toda a proteção. Bem podia andar um pouco e levá-la para a rua da Senra; alá tampouco há marquise mas ao menos há umha pequena entrada onde colhem bem quatro pessoas dum prédio agora por alugar; claro que pode haver mais gente ali… Teria que ir até ao Mercado, 850 metros de onde estão; lá há um belo exemplar de marquise, que não ampara muito mas é exemplo de transparência, ainda bem, fosse metonímia da política; ou descer a rua do Pombal, mas não vão encontrar em mais dum quilómetro marquesinha nem alpendre… Chega o autocarro, são agora 8. 54; tanto pode passar às 8.43 como as 9.01, informação não há oficial; algumha aplicação de móvel de funcionamento irregular… nem painéis que digam algo; nem carril-bus que o ampare, a ele também, para chegar em tempo que não se sabe bem qual é… Aquele homem de idade indefinida passa à frente: não é costume fazer fila nesta cidade para entrar no autocarro segundo se chegou. Pior é que o homem, pola atitude símbolo requintado do micro-individualismo, não entre um pouco mais para a frente do autocarro para deixar resguardar-se à senhora de idade que já estava na paragem; à frente passa também umha mulher, de meia-idade, que trabalha numha loja da parte nova mas que utiliza um cartão de pensionista, como reflete a indicação da máquina ao validar o seu (?) título de transporte.

Boa parte desta maioria social não chegará em tempo à atividade que tinha prevista; mas para isso não parece estar o transporte urbano.
Mais representantes da maioria social estão no veículo, entre elas duas estudantes que ocupam o lugar reservado para pessoas com problemas de mobilidade; nem se imutam perante a senhora de bastante idade asida como pode à barra ao lado do motorista; nem gesto de ceder o lugar; os dous lugares que ainda estavam vagos forom ocupados pola jovem e o homem de idade indefinida: a senhora e o o cesto desequilibram-se quando, o motorista, que vai já bem atrasado e não cumprirá o horário nesta ainda sua terceira carreira do dia, faz o primeiro movimento para arrancar; primeiro e por enquanto, único: passarom vários carros à frente, alguns de quem pára para deixar crianças no licéu onde a paragem está mas, quando o motorista encara a estrada, um polícia local manda parar o autocarro para deixar passar pessoas pola passadeira; é quase costume, como sabe o motorista e o pai da criança que está, nesse momento, segurando-se melhor, polícia parar o autocarro (há ali dous semáforos que nunca funcionarom; no seu mutismo aparentam ser parte dumha performance…); afinal, o autocarro é transporte público e coletivo: quase da casa, que pare… 8.56 horas e, sim, certamente, aconteceu isto tudo, e ainda o autocarro não se moveu. Continua chovendo, agora lá fora, e um pouco dentro ao escorregar águas de calçados e agasalhos de quem está no autocarro. Boa parte desta maioria social não chegará em tempo à atividade que tinha prevista; mas para isso não parece estar o transporte urbano. Na realidade, nisto nada parece ser como devera.

Sobre o autor

Elias J. Torres Feijó

Tenta trabalhar coletivamente e acha que o associacionismo é a base fundamental do bom funcionamento social e comunitário. A educação nos Tempos Livres é um desses espaços que considera vitais. Profissionalmente, é professor de Literatura, em origem, e, mais, na atualidade, de Cultura.

Comenta aqui!

Comenta aqui!

Espaço público, Cultura, Política, Comunidade, Território, Pessoas

Xoán Carlos Carreira Pérez

Doutor engenheiro agrónomo, professor de Engenharia Agroflorestal na Universidade de Santiago de Compostela. Autor de vários livros e artigos científicos, tem colaborado em diversos meios de comunicação, como A Nosa Terra, El Progreso, Vieiros e Praza Pública.

Elias J. Torres Feijó

Tenta trabalhar coletivamente e acha que o associacionismo é a base fundamental do bom funcionamento social e comunitário. A educação nos Tempos Livres é um desses espaços que considera vitais. Profissionalmente, é professor de Literatura, em origem, e, mais, na atualidade, de Cultura.

Xosé Manuel Sarille

Polemista e tamén escritor. Autor do ensaio "A impostura e a desorientación na normalización lingüística". A quen lle interese lelo pode solicitalo neste blog e enviaráselle ao enderezo correspondente sen custo ningún do exemplar nin do transporte.

Viva Cerzeda

Espaço público, Cultura, Política, Comunidade, Território, Pessoas… Viva Cerzeda é a comemoração, para nós, da amizade, do bom humor sempre que possível e de tentar contribuir com algumhas ideias e opiniões para entender(mos) e atuar(mos) do melhor modo o mundo… É ambicioso mas é-che o que há… e para mais não damos…

Contacta-nos aqui

Acompanha