Espaço público, Cultura, Política, Comunidade, Território, Pessoas

Filhas

Filhas,
Porque nunca haverá tempo bastante para vo-lo dizer,
Pedirei aos amigos que vos digam quanto vos amei.
Sei que eles irão limar bem todas as insuficiências, todos os excessos, todos os erros.
[A amizade é assim, bate dentro para acariciar fora].
Sou um pouco pilho, é verdade: é pose para tentar imitar, levemente, o brilho dos vossos olhos,
Dos vossos olhos que me miram como o mais formoso desafio.

Por isso prefiro que sejam eles a contar-vos que eu vos adorava, como agora vos adoro.
Não chegará o agradecimento à amiga que lembrará que esse gesto era de teu pai e que só de imaginar-cho a vida valia a pena.
Não teria eu energia bastante para colmatar o abraço
a quem vos deixe um pouso de melancolia na mirada fugaz
ao contar-vos as minhas aventuras infantis, o lugar de acampamento,
o rio que tanto amei, caudal arauto permanente do meu amor multiplicado.

Vossa mãe pode dar fé de que todos as montanhas percorridas, os animais todos vistos e sonhados, eram a mais bela paisagem que para vós idealizávamos.
E que as gentes maravilhosas que foram integrando a nossa vida,
esta mesma que aqui fazem palpitar, pulso a pulso,
estão hoje convosco como histórias do melhor legado.

Acompanha-me a bela saudade de fantasiar isto tudo
para quando eu não estiver,
Filhas,
E agradeço que tornássedes por um instante o olhar para atrás
Para ver-me,
ao longe,
na volta do velho caminho que fica às vossas costas
no vosso barlavento,
e dedicar-me o aceno ligeiro que,
sem magias,
me construiu feliz
e coseu estas palavras na vela que me destes.

Sobre o autor

Elias J. Torres Feijó

Tenta trabalhar coletivamente e acha que o associacionismo é a base fundamental do bom funcionamento social e comunitário. A educação nos Tempos Livres é um desses espaços que considera vitais. Profissionalmente, é professor de Literatura, em origem, e, mais, na atualidade, de Cultura.

Comenta aqui!

Comenta aqui!

Espaço público, Cultura, Política, Comunidade, Território, Pessoas

Xoán Carlos Carreira Pérez

Doutor engenheiro agrónomo, professor de Engenharia Agroflorestal na Universidade de Santiago de Compostela. Autor de vários livros e artigos científicos, tem colaborado em diversos meios de comunicação, como A Nosa Terra, El Progreso, Vieiros e Praza Pública.

Elias J. Torres Feijó

Tenta trabalhar coletivamente e acha que o associacionismo é a base fundamental do bom funcionamento social e comunitário. A educação nos Tempos Livres é um desses espaços que considera vitais. Profissionalmente, é professor de Literatura, em origem, e, mais, na atualidade, de Cultura.

Xosé Manuel Sarille

Polemista e tamén escritor. Autor do ensaio "A impostura e a desorientación na normalización lingüística". A quen lle interese lelo pode solicitalo neste blog e enviaráselle ao enderezo correspondente sen custo ningún do exemplar nin do transporte.

Viva Cerzeda

Espaço público, Cultura, Política, Comunidade, Território, Pessoas… Viva Cerzeda é a comemoração, para nós, da amizade, do bom humor sempre que possível e de tentar contribuir com algumhas ideias e opiniões para entender(mos) e atuar(mos) do melhor modo o mundo… É ambicioso mas é-che o que há… e para mais não damos…

Contacta-nos aqui

Acompanha