Espaço público, Cultura, Política, Comunidade, Território, Pessoas

O silencio

Pasáramos toda a tarde nos cafés, despois fomos aos bares e á noite visitamos o Gaiola, o Matisse e o Modus. Manuel tiña un Citroën dyane 6 vermello cheo de molles por todas as partes, que tamén bailaba moito. Ficara estacionado diante do Yohakin, mentres nós estivéramos dentro, buscando con ansia música e luces eléctricas. Bebíamos coñac sen engadidos e fumábamos haxix, buscando proporción no segundo, para non colapsar. Entón Manolo propuxo facer un cambio de espazo, de mundo. Se saíamos daquela mesmo, en catro horas chegaríamos, ao amencer, a Campo da Braña, para ir a Suárbol e ver desde alí por enriba o porto dos Ancares. Lucía o sol, todo estaba quedo e nacía abril. Entón fitei abraiado para a pola dunha cerdeira e achegueime a ela subindo por un muro. Co ollo fixo nela descubrín que as árbores botan flores. Comuniqueino daquela mesmo e o Xulio calibrou a miña aparición como se fose a dun marciano.

Montaigne viviu sempre na aldea e de vello soubo que o pan, para ser, leveda.

Sobre o autor

Xosé Manuel Sarille

Polemista e tamén escritor. Autor do ensaio "A impostura e a desorientación na normalización lingüística". A quen lle interese lelo pode solicitalo neste blog e enviaráselle ao enderezo correspondente sen custo ningún do exemplar nin do transporte.

Comenta aqui!

Comenta aqui!

Espaço público, Cultura, Política, Comunidade, Território, Pessoas

Xosé Manuel Sarille

Polemista e tamén escritor. Autor do ensaio "A impostura e a desorientación na normalización lingüística". A quen lle interese lelo pode solicitalo neste blog e enviaráselle ao enderezo correspondente sen custo ningún do exemplar nin do transporte.

Xoán Carlos Carreira Pérez

Doutor engenheiro agrónomo, professor de Engenharia Agroflorestal na Universidade de Santiago de Compostela. Autor de vários livros e artigos científicos, tem colaborado em diversos meios de comunicação, como A Nosa Terra, El Progreso, Vieiros e Praza Pública.

Elias J. Torres Feijó

Tenta trabalhar coletivamente e acha que o associacionismo é a base fundamental do bom funcionamento social e comunitário. A educação nos Tempos Livres é um desses espaços que considera vitais. Profissionalmente, é professor de Literatura, em origem, e, mais, na atualidade, de Cultura.

Viva Cerzeda

Espaço público, Cultura, Política, Comunidade, Território, Pessoas… Viva Cerzeda é a comemoração, para nós, da amizade, do bom humor sempre que possível e de tentar contribuir com algumhas ideias e opiniões para entender(mos) e atuar(mos) do melhor modo o mundo… É ambicioso mas é-che o que há… e para mais não damos…

Contacta-nos aqui

Acompanha