Espaço público, Cultura, Política, Comunidade, Território, Pessoas

Perder a esperança

La era está pariendo un corazón
(Silvio Rodríguez)

No ano 1992, quando se avizinhava para Boff e para a editora Vozes mais umha punição da hierarquia eclesiástica católica, o teólogo brasileiro afirmara ter perdido a esperança, que é pior, dizia, que perder a fé. Na Vozes publicara Boff o seu Igreja, Carisma e Poder, que tivem a oportunidade de ler em meados de oitenta, um livro basilar para entender a Teologia da Libertação mas, sobretudo e polas suas consequências, as razões da hierarquia católica contra aquela interpretação teológica, que perseguiu Boff até que este deixou a Ordem Franciscana. Pola reação dessa hierarquia (que pode ler-se, em termos doutrinários, na carta sobre o livro assinada por Joseph Ratzinger), pode bem perceber-se onde estavam os aspetos mais gravosos para o Vaticano da/na altura: em geral, um relativismo que estaria pondo em causa a existência e obediência a essa hierarquia.

Há mais, claro, mas isto é-me suficiente para o que quero comentar. Fé é crença, esperança é vontade. Brasil era/é considerado o país com maior número de pessoas católicas do mundo. Se alguns líderes católicos como Boff perdiam a esperança, deixavam de lutar desde aquele espaço religioso; essa marginalização era fundamental para acabar com a Teologia da Libertação, como projeto e como realidade. E acabarom com ela, em boa medida e entre outras cousas pola lealdade à Igreja de algumhas figuras significativas dessa TL e pola aceitação da perda de recursos e infraestruturas para difundir a sua mensagem.

A esperança é motor da ação e da transformação, em todos os âmbitos: no profissional, no pessoal, no político, no social, no cultural, no económico, no vital. As pessoas fazem cousas porque tenhem expetativas nos seus efeitos.

Acontece isso em todas as escalas, desde a pessoal, familiar ou local até à transnacional e mundial.

Perder a esperança leva para um estado de resignação (a aceitação da impossibilidade). Na atualidade, intensifica-se um conjunto maciço de notícias falsas e meias-verdades por parte de muitos grupos que detentam poder, do mainstream social, do neoliberalismo, a que se unem narrativas que visam convencer dos seus programas, certamente, mas cujo efeito fundamental é que as pessoas pensem que não há esperança (ou não outra da que eles oferecem), que a mudança não é possível, com corolários de que, afinal, tod@s (na política, mui principalmente, mas também noutro tipo de atividades ou responsabilidades) são iguais (de más/maus, de corrut@s, …) e que não há nada a fazer. Identificar partes com o tudo ou fazer da atividade sinónimo de quem (malfeitamente) a pratica são algumhas das táticas.

Elaborar narrativas complexas (por que é cara a energia elétrica se não custa o que é cobrado produzi-la) ou sumárias (a imigração é perversa e contrabandeia com muitas pessoas indesejáveis) é outro dos mecanismos exitosos: renunciar a entender ou pensar que se compreende tudo é o efeito para que nada mude e para que determinados grupos e ideias aumentem o seu domínio social. O egoísmo é a principal via de penetração. O que foi denominado ObamaCare era combatido polos agentes opositores de maneira simples: não tenho por que pagar a saúde de outra pessoa; lógico, não? Cada quem que trate da sua. E, se se invocarem princípios de solidariedade, a resposta, implícita ou explícita é simples também: O altruísmo não tem hipótese de existir, não porque eu não queira mas porque @ outr@ o usa ou recebe inadequadamente.

Porque a perda de esperança é igualmente, muitas vezes de forma inconsciente, desejada por pessoas nos seus dilemas éticos: exercê-la demanda esforços e investimentos e perda de confortabilidade mas a ela sinto-me compelido polas minhas convicções. Se resultar evidente ou me convencer de que não há possibilidade de mudança, ficarei (a) salvo. Ergo, estou fundamentalmente aberto a essa evidência e convencimento e menos para narrativas contrárias a eles. E, para isso, deito mão de todos os mecanismos anteriormente comentados, e doutros…

Esses discursos não apenas somam adesão aos seus programas por parte de setores sociais; sementam dúvidas, receios, desconcerto que deixam muitos outros paralisados, imóveis; ganham espaço para a inação das pessoas e para a justificação da insolidariedade. E sementam medo, medo que vai constituindo a nossa estrutura social, a crença de que qualquer mudança é impossível e que só o estatismo, a inércia ou o reforço da violência institucional garantem a segurança.

Talvez, o antídoto a isso tudo seja colocar como premissa maior os valores de que queremos nutrir-nos e, desde eles, identificar onde está e em que deve consistir a esperança, como objetivo e como prática. E alimentar-nos das outras esperanças coincidentes com esses valores a que não podamos responder de modo ativo. Conhecer quem está de cada lado e para quê para saber de que lado estar(mos).

Sobre o autor

Elias J. Torres Feijó

Tenta trabalhar coletivamente e acha que o associacionismo é a base fundamental do bom funcionamento social e comunitário. A educação nos Tempos Livres é um desses espaços que considera vitais. Profissionalmente, é professor de Literatura, em origem, e, mais, na atualidade, de Cultura.

Comenta aqui!

Comenta aqui!

Espaço público, Cultura, Política, Comunidade, Território, Pessoas

Elias J. Torres Feijó

Tenta trabalhar coletivamente e acha que o associacionismo é a base fundamental do bom funcionamento social e comunitário. A educação nos Tempos Livres é um desses espaços que considera vitais. Profissionalmente, é professor de Literatura, em origem, e, mais, na atualidade, de Cultura.

Xoán Carlos Carreira Pérez

Doutor engenheiro agrónomo, professor de Engenharia Agroflorestal na Universidade de Santiago de Compostela. Autor de vários livros e artigos científicos, tem colaborado em diversos meios de comunicação, como A Nosa Terra, El Progreso, Vieiros e Praza Pública.

Xosé Manuel Sarille

Polemista e tamén escritor. Autor do ensaio "A Causa das Mulleres". A quen lle interese lelo pode solicitalo neste blog e enviaráselle ao enderezo correspondente sen custo ningún do exemplar nin do transporte.

Manuel Jordán Rodríguez

Lembrado e Querido Manuel Ánxel

Viva Cerzeda

Espaço público, Cultura, Política, Comunidade, Território, Pessoas… Viva Cerzeda é a comemoração, para nós, da amizade, do bom humor sempre que possível e de tentar contribuir com algumhas ideias e opiniões para entender(mos) e atuar(mos) do melhor modo o mundo… É ambicioso mas é-che o que há… e para mais não damos…

Contacta-nos aqui

Acompanha